Feeds:
Posts
Comentários

natal5

Um momento doce e cheio de significado para as nossas vidas.
É tempo de repensar valores, de ponderar sobre a vida e tudo que a cerca.
É momento de deixar nascer essa criança pura, inocente e cheia de esperança que mora dentro de nossos corações.
É sempre tempo de contemplar aquele menino pobre, que nasceu numa manjedoura, para nos fazer entender que o ser humano vale por aquilo que é e faz, e nunca por aquilo que possui.

Noite cristã, onde a alegria invade nossos corações trazendo a paz e a harmonia.

O Natal é um dia festivo e espero que o seu olhar possa estar voltado para uma festa maior, a festa do nascimento de Cristo dentro de seu coração.

Que neste Natal você e sua família sintam mais forte ainda o significado da palavra amor, que traga raios de luz que iluminem o seu caminho e transformem o seu coração a cada dia, fazendo que você viva sempre com muita felicidade.

Também é tempo de refazer planos, reconsiderar os equívocos e retomar o caminho para uma vida cada vez mais feliz.
Teremos outras 365 novas oportunidades de dizer à vida, que de fato queremos ser plenamente felizes.
Que queremos viver cada dia, cada hora e cada minuto em sua plenitude, como se fosse o último.
Que queremos renovação e buscaremos os grandes milagres da vida a cada instante.

Todo Ano Novo é hora de renascer, de florescer, de viver de novo.
Aproveite este ano que está chegando para realizar todos os seus sonhos!

Feliz Natal e um próspero Ano Novo!

(autor desconhecido)

Presentes existem de todos os tipos e para todos os gostos, no entanto, não é fácil executar a nobre arte de presentear. Às vezes é difícil descobrir qual o presente que representaria melhor a intenção do presenteador e agradaria melhor o presenteado… Cada momento e cada relação exige um cuidado especial. Mas, se nossa intenção é somente mostrar ao outro nossa simpatia, nosso carinho, pequenos encantos fazem muito bem este papel. Uma bela flor, um bom vinho, um livro de poesias…

Por que de poesias?

Duas observações:

1. Ler poesia estimula a memória afetiva.
Quando lemos um texto, as palavras são processadas no cérebro, independente do estilo literário. A poesia, entretanto, por ser mais emotiva do que textos em prosa, atua em parte do cérebro responsável pela memória e pelos sentimentos, assim como a música.
Um estudo na Universidade de Exeter, em Devon, Reino Unido, comprovou, através de ressonância magnética, este fato, em um grupo de voluntários que permitiram que sua atividade cerebral fosse monitorada, enquanto liam textos de prosa e poesia. E, por ser mais comovente, os poemas atingiam uma região do córtex posterior e do lobo temporal onde se processam os pensamentos introspectivos.
Esta pesquisa, publicada na revista “Journal of Consciousness Studies” foi a primeira a medir diretamente a resposta do estímulo gerado pela poesia e pela prosa no cérebro e, segundo Adam Zeman, que a liderou, “as novas imagens do cérebro possibilitadas pela tecnologia nos dão um crescente corpo de evidências sobre como o cérebro responde à experiência da arte”.

2. A poesia estimula mais o cérebro do que livros de autoajuda.
Uma pesquisa desenvolvida por especialistas em ciência, psicologia e literatura inglesa, da Universidade de Liverpol, comprova que a poesia é mais útil que os livros de autoajuda, visto afetar o lado direito do cérebro.
Segundo os autores, a atividade do cérebro “dispara” quando o leitor encontra palavras incomuns ou frases com uma estrutura semântica complexa, mas não reage quando esse mesmo conteúdo se expressa com fórmulas de uso cotidiano.
Segundo o professor David, responsável pela apresentação do estudo, “A poesia não é só uma questão de estilo. A descrição profunda de experiências acrescenta elementos emocionais e biográficos ao conhecimento cognitivo que já possuímos de nossas lembranças”.

Acredita-se que a poesia seja anterior à escrita, pois aparece entre os primeiros registros da maioria das culturas letradas e, provavelmente, foram compostas para ajudar a memorização e transmissão oral dos conhecimentos nas sociedades antigas.

Posso te sugerir um título?

“Só letrando… o amor & outras manias”
Possui 126 páginas, contendo 93 poesias, sendo 38 sonetos.
Está disponível na Livraria Mundial – Pelotas/RS ou pelo site http://www.livrariamundial.com.br/

basta clicar aqui http://www.livrariamundial.com.br/procurar?utf8=%E2%9C%93&produto_busca=S%C3%B3+letrando…+o+amor+%26+outras+manias

capa 15x21

É de minha autoria e, a realização de um sonho que acalento há muito tempo.
Ele retrata momentos da minha vida, em que deixei a sensibilidade iluminar minha caminhada. Nunca peguei uma folha na intenção de escrever. Fi-lo quando não pude evitar. E, gratificado, por havê-los permitido viver no papel, recordo, com carinho e saudade, destes momentos, do entorno, dos sentimentos e das pessoas que os inspiraram.
Quantos olhares, quantos sorrisos, quantos sonhos, quanta felicidade! A vida é, realmente, ma-ra-vi-lho-sa!

E são estas experiências, estes encantos, que tento retratar em minhas poesias.
Espero que leias e que gostes… e, se gostares, presenteie aqueles que possam gostar também.
De toda forma, estarei atento à toda e qualquer observação, agradecido à atenção que me distinguires.

Muita paz!
Mário Campello

a1

É importante recordarmos o adolescente que nós fomos. Eu lembro que no aniversário de um amigo, nós – adolescentes – resolvemos fazer uma brincadeira e entregar-lhe um presente. Era uma caixa muito grande!

Surpreso diante dos convidados, ele abriu a caixa, e encontrou uma caixa um pouco menor. Abriu-a e tornou a encontrar outra, numa sucessão de embrulhos e caixas que parecia não ter fim. Havia passado um longo tempo desembrulhando caixas, com a ajuda dos convidados, quando, finalmente, lá estava uma caixinha, onde ele encontrou um anel, que o deixou emocionado.

Nas tantas circunstâncias em que a vida nos separa de seres que um dia nos foram tão caros, eu perdi o contato com esse amigo, mas suponho que ele guarda esse presente até hoje, pelo menos na lembrança.

Essa recordação nos permite fazer uma comparação.

A cada momento a vida está nos presenteando com oportunidades, mas esses presentes estão quase sempre muito bem embrulhados, por isso não o vemos com facilidade. É preciso ter a observação treinada e a sensibilidade sem travas.
É preciso paciência ativa para desembrulhá-los com a reflexão, porque as oportunidades só encontram quem está preparado para recebê-las.

A arte de viver começa a ser percebida quando aprendemos a desembrulhar os presentes que a vida nos oferece e quando conseguimos presentear com sentimentos perceptíveis os seres que amamos.

(Jarbas Mattos)

um-minuto

Um minuto serve para você sorrir: Sorrir para o outro, para você e para a vida.
Um minuto serve para você ver o caminho, olhar a flor, sentir o cheiro da flor, sentir a grama molhada, notar a transparência da água.

Basta um minuto para você avaliar a imensidão do infinito, mesmo sem poder entendê-lo.
Em um minuto apenas você ouve o som dos pássaros que não voltam mais.
Um minuto serve para você ouvir o silêncio, ou começar uma canção.
É num minuto que você dará o sim que modificará sua vida… e basta.
Basta um minuto para você apertar a mão de alguém e conquistar um novo amigo.

Em um minuto você pode sentir a responsabilidade pesar em seus ombros: a tristeza da derrota, a amargura da incerteza, o gelo da solidão, a ansiedade da espera, a marca da decepção e a alegria da vitória…

Quanta vitória se decide num simples momento, num simples minuto!
Num minuto você pode amar, buscar, compartilhar, perdoar, esperar, crer, vencer e ser…
Num simples minuto você pode salvar a sua vida…
Num pequeno minuto você pode incentivar alguém ou desanimá-lo!

Basta um minuto para você recomeçar a reconstrução de um lar ou de uma vida.
Basta um minuto de atenção para você fazer feliz um filho, um aluno, um professor, um semelhante…
Basta um minuto para você entender que a eternidade é feita de minutos.

(Fênix Faustine)

. Sucesso

Nizan Guanaes

Discurso do publicitário Nizan Guanaes como paraninfo de uma turma de formandos em Administração de Empresas na Bahia.

Dizem que conselho só se dá a quem pede. E, se vocês me convidaram para paraninfo, estou tentado a acreditar que tenho sua licença para dar alguns.

Portanto, apesar da minha pouca autoridade para dar conselhos a quem quer que seja, aqui vão alguns, que julgo valiosos.

Não paute sua vida, nem sua carreira, pelo dinheiro.

Ame seu ofício com todo o coração.
Persiga fazer o melhor.
Seja fascinado pelo realizar, que o dinheiro virá como consequência.
Quem pensa só em dinheiro não consegue sequer ser nem um grande bandido, nem um grande canalha.
Napoleão não invadiu a Europa por dinheiro.
Hitler não matou 6 milhões de judeus por dinheiro.
Michelangelo não passou 16 anos pintando a Capela Sistina por dinheiro.
E, geralmente, os que só pensam nele não o ganham. Porque são incapazes de sonhar.
E tudo que fica pronto na vida foi construído antes, na alma.
A propósito disso, lembro-me de uma passagem extraordinária, que descreve o diálogo entre uma freira americana cuidando de leprosos no Pacífico e um milionário texano. O milionário, vendo-a tratar daqueles leprosos, disse: – Freira, eu não faria isso por dinheiro nenhum no mundo.
E ela responde: – Eu também não, meu filho.
Não estou fazendo com isso nenhuma apologia à pobreza, muito pelo contrário.
Digo apenas que pensar e realizar tem trazido mais fortuna do que pensar em fortuna.

Meu segundo conselho:
Pense no seu País.

Porque, principalmente hoje, pensar em todos é a melhor maneira de pensar em si.
Afinal é difícil viver numa nação onde a maioria morre de fome e a minoria morre de medo. O caos político gera uma queda de padrão de vida generalizada. Os pobres vivem como bichos e uma elite brega, sem cultura e sem refinamento, não chega a viver como Homem. Roubam, mas vivem uma vida digna de Odorico Paraguaçu.

Meu terceiro conselho vem diretamente da Bíblia:
Seja quente ou seja frio, não seja morno que eu te vomito.

É exatamente isso que está escrito na carta de Laudicéia: Seja quente ou seja frio, não seja morno que eu te vomito.
É preferível o erro à omissão. O fracasso, ao tédio. O escândalo, ao vazio.
Porque já vi grandes livros e filmes sobre a tristeza, a tragédia, o fracasso. Mas ninguém narra o ócio, a acomodação, o não fazer, o remanso.
Colabore com seu biógrafo. Faça, erre, tente, falhe, lute. Mas, por favor, não jogue fora, se acomodando, a extraordinária oportunidade de ter vivido.
Tendo consciência de que, cada homem foi feito para fazer história.
Que todo homem é um milagre e traz em si uma evolução.
Que é mais do que sexo ou dinheiro. Você foi criado para construir pirâmides e versos, descobrir continentes e mundos e, caminhar sempre com um saco de interrogações na mão e uma caixa de possibilidades na outra.
Não use Hider, não dê férias a seus pés. Não se sente e passe a ser analista da vida alheia, espectador do mundo, comentarista do cotidiano, dessas pessoas que vivem a dizer: eu não disse?, eu sabia!
Toda família tem um tio batalhador e bem de vida. E, durante o almoço de domingo, tem que aguentar aquele outro tio muito inteligente e fracassado contar tudo que ele faria, se fizesse alguma coisa.
Chega dos poetas não publicados. Empresários de mesa de bar. Pessoas que fazem coisas fantásticas toda sexta de noite, todo sábado e domingo, mas que na segunda não sabem concretizar o que falam.
Porque não sabem ansiar, não sabem perder a pose, porque não sabem recomeçar. Porque não sabem trabalhar.
Eu digo: trabalhem, trabalhem, trabalhem. De 8 às 12, de 12 às 8 e mais se for preciso.
Trabalho não mata. Ocupa o tempo. Evita o ócio, que é a morada do demônio, e constrói prodígios.
O Brasil, este país de malandros e espertos, da vantagem em tudo, tem muito que aprender com aqueles trouxas dos japoneses. Porque aqueles trouxas japoneses que trabalham de sol a sol construíram, em menos de 50 anos, a 2ª maior megapotência do planeta, enquanto nós, os espertos, construímos uma das maiores impotências do trabalho.
Trabalhe! Muitos de seus colegas dirão que você está perdendo sua vida, porque você vai trabalhar enquanto eles veraneiam.
Porque você vai trabalhar, enquanto eles vão ao mesmo bar da semana anterior, conversar as mesmas conversas, mas o tempo, que é mesmo o senhor da razão, vai bendizer o fruto do seu esforço, e só o trabalho lhe leva a conhecer pessoas e mundos que os acomodados não conhecerão.

E isso se chama SUCESSO!!!!!

dança6

Você é competente naquilo que faz, mas por alguma razão outras pessoas são escolhidas em seu lugar? Você conhece seu produto melhor do que qualquer outro, mas vendedores aparentemente inexperientes vendem muito mais?

Sua empresa, ou departamento está implantando novas estratégias e táticas administrativas, mas uma concorrente, aparentemente menos organizada e frágil, está tomando o mercado e sendo muito mais bem sucedida?

Talvez seu problema seja o de estar confundindo ficção com realidade. Na ficção que nos contaram, o importante eram as coisas, estratégias, sistemas, produtos, planilhas, crenças. Na realidade, o importante são as pessoas. Não existe nada sem pessoas. Não existem vendas – portanto, não existe economia de mercado – não existem casamentos, não existem famílias e, para ser franco, não existe sequer civilização.

Tudo o que você faz, começa e termina em pessoas. Se você tivesse que passar o resto da sua vida com todas as riquezas do universo… sozinho em uma ilha deserta, de que valeria qualquer sucesso? Você – e eu – precisamos compartilhar o tempo, a vida e as experiências com outras pessoas.

Empresas que se esquecem deste fator, se concentrando somente no balanço do trimestre, acabam soterradas por guerrilheiros dos negócios ou sabotadas por inúmeros funcionários descontentes que, na melhor das hipóteses, entram em “operação padrão”.

Você pode ser genial, mas as pessoas gostam de trabalhar com você? (Eu não perguntei se elas gostam de passear com você. Isso é fácil. Perguntei se elas gostam de trabalhar com você). Seus chefes, subordinados e colegas confiam em você como profissional e gostam de trabalhar com você? Se apenas uma dessas perguntas tiver como resposta “não”, você ficará abaixo de onde pode chegar.

Se não gostam de estar com você, se notam que você as vê somente como um instrumento (para gerar vendas, por exemplo), o primeiro vendedor “amigo” que aparecer vai tomar seu cliente. Para sempre. Seus funcionários veem você como um líder, ou como um analista, que corta pessoal sem se preocupar com o “moral” das tropas. Alguém em quem não podem confiar?

Agora, deixe-me esclarecer um ponto. Isso não significa que você deva ser “amigo” de todos, ou um bajulador. Seja você mesmo. Sempre. Dá menos trabalho! Faça o que tem que ser feito. Mas, se você não é parte da solução na empresa, na família, no romance, no clube ou na sociedade, então você é parte do problema. E se este é seu caso, cuidado: problemas não são convidados para subir na empresa. Problemas não são bem vindos no casamento. Problemas não são eleitos. Problemas são e-v-i-t-a-d-o-s, mesmo que inconscientemente. Seja a solução, concentrando-se nas pessoas. O que elas realmente buscam? Do que precisam? O que querem?

Você deve buscar a competência técnica, claro. Mas não precisa ser perfeito como um robô, porque somente pessoas avançam. Robôs a gente constrói, ou desliga. E o único modo de pessoas avançarem com lastro duradouro é quando são apoiadas por outras pessoas. Você é apoiado por outras pessoas?

Em outras palavras, depois da sua competência técnica, seus relacionamentos são a fonte mais importante para o seu futuro, em todos os níveis. Seja na carreira, na família ou na sociedade. Por isso, lembre-se do que disse Michael Leboeuf: “Só porque você dança bem, não significa que vai ser convidado para o baile”. E o baile da vida é bem curto. Curto demais. Não espere a última música para entender isso. Tudo começa, e termina, nas pessoas.

(Aldo Novak)

amigos

Certa vez, trabalhei em uma pequena empresa de Engenharia.

Foi lá que fiquei conhecendo um rapaz chamado Mauro. Ele era grandalhão e gostava de fazer brincadeiras com os outros, sempre pregando pequenas peças.

Havia também o Ernani, que era um pouco mais velho que o resto do grupo. Sempre quieto, inofensivo, à parte. Ernani costumava comer o seu lanche sozinho, num canto da sala. Ele não participava das brincadeiras que fazíamos após o almoço, sendo que, ao terminar a refeição, sempre sentava sozinho debaixo de uma árvore mais distante.

Devido a esse seu comportamento, Ernani era o alvo natural das brincadeiras e piadas do grupo. Ora ele encontrava um sapo na marmita, ora um rato morto em seu chapéu. E o que achávamos mais incrível é que ele sempre aceitava aquilo sem ficar bravo.

Em um feriado prolongado, Mauro resolveu ir pescar no pantanal.
Antes, nos prometeu que, se conseguisse sucesso, iria dar um pouco do resultado da pesca para cada um de nós.

No seu retorno, ficamos todos muito animados quando vimos que ele havia pescado alguns dourados enormes. Mauro, entretanto, levou-nos para um canto e nos disse que tinha preparado uma boa peça para aplicar no Ernani. Mauro dividira os dourados, fazendo pacotes com uma boa porção para cada um de nós. Mas, a ‘peça’ programada era que ele havia separado os restos dos peixes num pacote maior, à parte.

- ‘Vai ser muito engraçado quando o Ernani desembrulhar esse ‘presente’ e encontrar espinhas, peles e vísceras!’, disse-nos Mauro, que já estava se divertindo com aquilo.

Mauro então distribuiu os pacotes no horário do almoço. Cada um de nós, que ia abrindo o seu pacote contendo uma bela porção de peixe, então dizia:

- ‘Obrigado!’.

Mas o maior pacote de todos, ele deixou por último. Era para o Ernani. Todos nós já estávamos quase explodindo de vontade de rir, sendo que Mauro exibia um ar especial, de grande satisfação. Como sempre, Ernani estava sentado sozinho, no lado mais afastado da grande mesa. Mauro então levou o pacote para perto dele, e todos ficamos na expectativa do que estava para acontecer.

Ernani não era o tipo de muitas palavras. Ele falava tão pouco que, muitas vezes, nem se percebia que ele estava por perto. Em três anos, ele provavelmente não tinha dito nem cem palavras ao todo. Por isso, o que aconteceu a seguir nos pegou de surpresa.

Ele pegou o pacote firmemente nas mãos e o levantou devagar, com um grande sorriso no rosto. Foi então que notamos que seus olhos estavam brilhando. Por alguns momentos, o seu pomo de Adão se moveu para cima e para baixo, até ele conseguir controlar sua emoção.

- ‘Eu sabia que você não ia se esquecer de mim’, disse com a voz embargada.

- ‘Eu sabia, você é grandalhão e gosta de fazer brincadeiras, mas sempre soube que você tem um bom coração’. Ele engoliu em seco novamente, e continuou falando, dessa vez para todos nós:

- ‘Eu sei que não tenho sido muito participativo com vocês, mas nunca foi por má intenção. Sabem… eu tenho cinco filhos em casa, e uma esposa inválida, que há quatro anos está presa na cama. E estou ciente de que ela nunca mais vai melhorar. Às vezes, quando ela passa mal, eu tenho que ficar a noite inteira acordado, cuidando dela. E a maior parte do meu salário tem sido para os seus médicos e os remédios. As crianças fazem o que podem para ajudar, mas tem sido difícil colocar comida para todos na mesa. Vocês talvez achem esquisito que eu vá comer o meu almoço sozinho, num canto… Bem, é que eu fico meio envergonhado, porque na maioria das vezes eu não tenho nada para pôr no meu sanduíche. Ou, como hoje, eu tinha somente uma batata na minha marmita. Mas eu quero que saibam que essa porção de peixe representa, realmente, muito para mim. Provavelmente muito mais do que para qualquer um de vocês, porque hoje à noite os meus filhos…’, ele limpou as lágrimas dos olhos com as costas das mãos. – ‘Hoje à noite os meus filhos vão ter, realmente, depois de alguns anos …’ e ele começou a abrir o pacote…

Nós tínhamos estado prestando tanta atenção no Ernani, enquanto ele falava, que nem havíamos notado a reação do Mauro. Mas agora, todos percebemos a sua aflição quando ele saltou e tentou pegar o pacote das mãos do Ernani. Mas era tarde demais. Ernani já tinha aberto e pacote e estava, agora, examinando cada pedaço de espinha, cada porção de pele e de vísceras, levantando cada rabo de peixe.

Era para ter sido tão engraçado, mas ninguém riu. Todos nós ficamos olhando para baixo. E a pior parte foi quando Ernani, tentando sorrir, falou a mesma coisa que todos nós havíamos dito anteriormente:

- ‘Obrigado!’.

Em silêncio, um a um, cada um dos colegas pegou o seu pacote e o colocou na frente do Ernani, porque depois de muitos anos nós havíamos, de repente, entendido quem era realmente o Ernani.

Uma semana depois, a esposa de Ernani faleceu. Cada um de nós, daquele grupo, passou então a ajudar as cinco crianças. Graças ao grande espírito de luta que elas possuíam, todas progrediram muito:
Carlinhos, o mais novo, tornou-se um importante médico. Fernanda, Paula e Luisa montaram o seu próprio e bem-sucedido negócio: elas produzem e vendem doces e salgados para padarias e supermercados. O mais velho, Ernani Júnior, formou-se em Engenharia; sendo que, hoje, é o Diretor Geral da mesma empresa em que eu, Ernani e os nossos colegas trabalhávamos.

Mauro, hoje aposentado, continua fazendo brincadeiras; entretanto, são de um tipo muito diferente:

Ele organizou nove grupos de voluntários que distribuem brinquedos para crianças hospitalizadas e as entretêm com jogos, estórias e outros divertimentos.

Às vezes, convivemos por muitos anos com uma pessoa, para só então percebermos que mal a conhecemos.

Nunca lhe demos a devida atenção; não demonstramos qualquer interesse pelas coisas dela; ignoramos as suas ansiedades ou os seus problemas.

Que possamos manter sempre vivo, em nossas mentes, o ensinamento de Jesus Cristo:

“Como eu vos amei, amai-vos também uns aos outros” (Jo 13,34).

Assim seja!

(autor desconhecido)

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 132 outros seguidores