Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Sem-categoria’ Category

pais2

Muito tem sido escrito sobre os atributos de adultos altamente realizados e o que os torna diferentes dos demais.

Mas se você é um pai ou uma mãe, a pergunta mais irresistível é:

“O que eu posso fazer para ter certeza de que meus filhos terão sucesso na vida?

Segundo a ciência, crianças de sucesso têm pais que fazem essas 9 coisas:

  1. Não diga a eles que poderão ser qualquer coisa que quiserem

De acordo com um levantamento feito com 400 adolescentes, conduzido pela agência de pesquisa de mercado C+R Research, jovens americanos não estão interessados em fazer o trabalho que precisará ser feito nos anos que virão. Em vez disso, eles aspiram serem músicos, atletas ou designers de vídeo game, mesmo que esses tipos de trabalho apenas abranjam 1% das ocupações americanas. Na realidade, trabalhos na saúde ou em negócios de construção serão preciosos nas décadas futuras. Por que não guiá-los a seguir profissões bem-remuneradas que terão uma grande escassez de trabalhadores?

  1. Jantar como uma família

De acordo com a organização sem fins lucrativos The Family Dinner Project, crianças que comem com os seus familiares aproximadamente cinco dias por semana, exibem baixos níveis de abuso de substância, gravidez na adolescência, obesidade e depressão.

Elas têm, inclusive, média de notas mais altas, melhor vocabulário e mais autoestima.

  1. Impor tempo sem telas (televisão, smartphones e dispositivos em geral)

Pesquisadores descobriram que os cérebros das crianças pequenas pode ser permanentemente alterados quando elas gastam muito tempo usando tablets e smartphones. Especificamente, o desenvolvimento de certas habilidades é limitado, incluindo foco e atenção, vocabulário e habilidades sociais. De fato, a Academia Americana de Pediatria (AAP) diz que crianças menores de 18 meses não devem ter tempo de tela de maneira nenhuma, exceto conversas em vídeo. Para crianças de 2 a cinco anos, é recomendado limitar a exposição à tela à uma hora por dia. Para crianças mais velhas, é uma questão de se certificar de que a mídia não ocupe o lugar do sono adequado, execício e interação social. A AAP também diz que os pais devem fazer a mesa de jantar, o carro e os quartos áreas livres de mídia.

  1. Trabalhar fora de casa

Certamente existem benefícios familiares em ter uma mãe que fica em casa. Mas pesquisadores da Escola de Negócios de Harvard, descobriram que quando as mães trabalham fora, suas filhas são mais propensas a se empregar, obtêm posição de supervisão e ganham mais do que colegas que tiveram mães sem uma carreira.

  1. Dar tarefas para as crianças realizarem

Em um TED Talks de 2015, Julie Lythcott-Haims, autora do livro “How to Raise an Adult” (Como criar um adulto) e ex-reitora dos calouros de Stanford, cita um estudo de Harvard, que descobriu que os participantes que alcançaram maior sucesso profissional tiveram tarefas quando crianças.

  1. Adiar a gratificação

O clássico Experimento do Marshmallow de 1972, envolvia colocar um marshmallow na frente de uma criança pequena com a promessa de um segundo marshmallow se ele ou ela conseguisse não comer enquanto um pesquisador ficasse parado do lado de fora por 15 minutos. Estudos de acompanhamento pelos 40 anos seguintes mostraram que as crianças que foram capazes de resistir a tentação de comer o marshmallow, se tornaram pessoas com melhores habilidades sociais, alta pontuação em testes e menor incidência de abuso de substâncias. Eles também se tornaram menos obesos e mais capazes de lidar com o estresse. Para ajudar crianças a construir estas habilidades, treine-as para terem hábitos que devem ser realizados todos os dias, mesmo que elas não queiram fazê-las. “Pessoas de desempenho elevado em muitas áreas – atletas, músicos, CEOs, artistas – são mais consistentes que seus colegas”, escreveu James Clear, autor e palestrante que estuda os hábitos de pessoas bem-sucedidas. “Elas aparecem e entregam dia após dia enquanto todo o resto empaca com as suas urgências da vida diária e lutam uma constante batalha entre procrastinação e motivação.”

  1. Ler para eles

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Nova Iorque descobriram que bebês cujos pais leram para eles, têm melhor linguagem, alfabetização e habilidades de leitura quatro anos antes de iniciar a escola primária. E crianças que gostam de livros quando são pequenos, tornam-se adultos que leem por diversão mais tarde, o que promove por si só uma série de benefícios. Dra. Alice Sullivan usa o British Cohort Study para traçar vários aspectos de 17.000 pessoas no Reino Unido. “Nós comparamos crianças com a mesma bagagem social que obtiveram habilidades similares testadas nas idades de cinco a dez anos e descobrimos que aqueles que liam livros frequentemente aos 10 anos e mais de uma vez na semana quando tinham 16, tiveram resultados elevados nos testes do que aqueles que liam menos,” escreveu ela ao The Guardian. “Em outras palavras, ler por prazer estava ligado a maior progresso intelectual em vocabulário, soletração e matemática.”

  1. Encorajá-los a viajar

A Associação de Viagens para Estudantes e Jovens (SYTA) entrevistou 1.432 professores norte-americanos que credenciaram viagens internacionais, em particular, que afetaram os alunos de inúmeras maneiras:

  • Desejo de viajar mais (76%);
  • Aumento da tolerância por outras culturas e etnias (74%);
  • Aumento da disposição de conhecer/aprender/explorar (73%);
  • Aumento da disposição de tentar comidas diferentes (70%);
  • Aumento da independência, autoestima e confiança (69%);
  • Mais curiosidade intelectual (69%);
  • Aumento da tolerância e respeito (66%);
  • Melhor adaptação e sensibilidade (66%);
  • Ser mais descontraído (51%);
  • Melhor autoexpressão (51%);
  • Aumento da atratividade de admissões de faculdade (42%).

Se enviar seu filho ou filha para o exterior ou levá-los com você para o estrangeiro não for viável, crie coragem. A pesquisa também perguntou aos professores sobre viagens domésticas e encontrou benefícios similares para os estudantes.

  1. Deixá-los falhar

Embora pareça algo contra-intuitivo, é uma das melhores coisas que os pais podem fazer.

Segundo a Dra. Stephanie O’Leary, psicóloga clínica especializada em neuropsicologia e autora do “Parenting in the Real World: The Rules Have Changed“, falhar é bom para as crianças em vários níveis. Primeiro, experimentar a falha ajuda sua criança a aprender a lidar com as coisas, uma habilidade certamente necessária no mundo real. Também fornece a experiência de vida necessária para ele ou ela se relacionar com os colegas de uma maneira genuína. Ser desafiado incentiva a necessidade de trabalho duro e esforços contínuos e ainda, demonstra que esses traços são valiosos mesmo sem a faixa azul, a estrela dourada ou a nota mais alta. Com o tempo, crianças que experimentaram a derrota vão construir resiliência e serão capazes de enfrentar tarefas e atividades difíceis, porque elas não têm medo de falhar. E ela diz que resgatar seu filho envia a mensagem de que você não confia nele. “A sua vontade de ver seu filho lutar comunica que você acredita que ele é capaz e que pode lidar com qualquer resultado que vier, mesmo um negativo.”

 

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Inc., escrito por Christina DesMarais

 

 

Anúncios

Read Full Post »

 
amizade

 

Um jovem recém-casado estava sentado em um sofá num dia quente e úmido, bebericando chá gelado durante uma visita ao seu pai. Ao conversarem sobre a vida, o casamento, as responsabilidades da vida, as obrigações da pessoa adulta, o pai remexia pensativamente os cubos de gelo no seu copo quando lançou um olhar claro e sóbrio para seu filho.

– Nunca se esqueça de seus amigos, aconselhou! Serão mais importantes na medida em que você envelhecer. Independentemente do quanto você ame sua família, os filhos que porventura venha a ter, você sempre precisará de amigos. Lembre-se de ocasionalmente ir a lugares com eles. Faça coisas com eles. Telefone para eles…

“Que estranho conselho”, pensou o jovem. “Acabo de ingressar no mundo dos casados. Sou adulto. Com certeza minha esposa e a família que iniciaremos serão tudo de que necessito para dar sentido à minha vida!”

Contudo, ele obedeceu ao pai. Manteve contato com seus amigos e anualmente aumentava o número de relacionamentos. Conforme os anos se passavam, ele foi compreendendo que seu pai sabia do que falava. Na medida em que o tempo e a natureza realizavam suas mudanças e mistérios sobre o homem, amigos mostraram-se baluartes em sua vida. Passados mais de 50 anos, eis o que aprendeu:

O tempo passa.
A vida acontece.
A distância separa.
As crianças crescem.
Os empregos vêm e vão.
O amor perde a intensidade.
As pessoas não fazem o que deveriam fazer.
O coração se rompe.
Os pais morrem.
Os colegas esquecem-se dos favores.
As carreiras terminam.

Mas, os verdadeiros amigos estão sempre lá, não importando quanto tempo e quantos quilômetros haja entre vocês.

Um amigo nunca está mais distante do que o alcance de uma necessidade, torcendo por você, intervindo em seu favor e esperando por você de braços abertos, abençoando sua vida!

Quando iniciamos esta aventura chamada VIDA, não sabemos das incríveis alegrias ou tristezas que estarão adiante. Nem sabemos o quanto precisaremos uns dos outros.

 

Cuide de seus amigos.

 

(a.d.)

 

 

 

Read Full Post »

Feliz2

As 4 perguntas que podem mudar a sua vida.

Algumas pessoas passam toda a sua vida procurando a felicidade em objetivos quase impossíveis, sem parar para apreciar as pequenas alegrias que a vida nos dá. Acho que isso acontece com todos, pelo menos em uma época da vida, até aprendermos que não é bem assim.

Quando alguém me pergunta “Por que não sou feliz?”, a minha primeira resposta são outras 4 perguntas:

O que você acha que é preciso para ser feliz?
Que coisas gostaria de ter para encontrar a felicidade?
Que pessoas precisa ter ao seu lado para sentir-se feliz?
Que circunstâncias precisam mudar para que sejas feliz?

Há pessoas que nunca se sentem realizadas. Muitas coisas as irritam ou entediam. Elas passam por este maravilhoso mundo correndo desesperadas, como um menino que persegue o arco-íris. Esse menino pode se esforçar o quanto for, mas o arco-íris sempre estará distante. Para essas pessoas, a felicidade sempre estará além de onde elas estão

Certa vez, um jovem me disse: “Eu me casarei quando encontrar a pessoa que trará satisfação à minha vida”. É com esta filosofia que muitos levam suas vidas, pensando que serão felizes quando encontrarem a pessoa certa. Outros, que acreditavam ter encontrado a pessoa certa, mas se decepcionaram, pensam: “Quando me separar, então serei feliz”.Alguns pensam: “Quando tiver filhos serei feliz”, e outros: “Quando meus filhos forem independentes, então começará minha felicidade”.A vida não funciona assim. Você pode ter riquezas e ser infeliz; pode estar rodeado de pessoas amorosas e viver as circunstâncias ideais, e ainda perceber que isso não leva embora todos os males.

Isso acontece porque a felicidade não vem ao encontrar a pessoa certa, e sim ao aprendera SER a pessoa certa. A felicidade não está em encontrar quem lhe faz feliz, e sim em aprender a trazer felicidade àqueles ao seu redor. A felicidade só é encontrada por aqueles que aprendem a viver com sabedoria, estabelecem relações saudáveis, colocam limites, aceitam o bom e rejeitam o questionável. É feliz quem se aproxima dos outros sem suspeitas, mas com prudência; quem se afasta daqueles que causam danos, sem maltratá-los, mas com inteligência.Encontra a felicidade quem aprende a usar as coisas e não as pessoas, quem não abusa e não permite o abuso.

Não é feliz quem nunca se feriu, mas sim quem sabe como evitar a ferida e, quando isso não é possível, sabe como curá-la. Não é feliz quem nunca tem problemas, mas sim quem os enfrenta com sabedoria e busca ajuda para resolvê-los. Para nosso próprio bem, precisamos parar de buscar a felicidade nas coisas, pessoas ou circunstâncias na nossa vida, e começar a mudar, de dentro para fora, as atitudes que nos afetam.

(Silvio Matos)

Read Full Post »

Tempo que chega

tempo

 

Chega um tempo em que você não se preocupa com o tempo. Se lembra apenas que esqueceu a ansiedade pelo caminho, que deixou de berrar pra provar que esta com a razão, que desistiu de esperar demais das pessoas, pois descobriu que pessoas oferecem o que são. Aprende a sorrir dos que subestimam sua inteligência. Desaprende de se justificar porque sabe que quem te ama, te entende, te aceita e te quer por perto apesar de você ser quem é.

 

Chega um tempo em que você prefere estudar (viver) humanas que exatas, pois descobre que coração não entende de exatidão.

 

Chega um tempo em que você para de olhar, aprende a enxergar. Para de correr, aprende a caminhar. Para de gritar, aprende a assoviar.

 

Chega um tempo em que você deixa as expectativas de futuro para os mais apressados e prefere descansar nos braços do agora. Se despede de todos os ontens, pois sabe que sua história mais interessante será escrita hoje.

 

Chega um tempo em que você joga a palavra felicidade no google e não encontra nada, pois ela esta dormindo ao seu lado, esta no telefone com suas vozes infantis preferidas, esta no abraço grande do seu irmão, esta na resposta da sua oração.

 

Chego a me perguntar se me perdi no tempo, pois não reconheço a garota de anos atrás, a mulher de um dia desses. Talvez tenha chegado atrasada no encontro que marquei com o tempo. Confesso que não me decepcionei ao olhar nos olhos da mulher diante do espelho, uma mulher que ainda não desvendei. Mas ela não assusta, pois estou prestes a descobrir.

 

(Renata Fagundes)

Read Full Post »

atlas

 

Por vezes na vida carregamos pesos que não são nossos. Levamos tempo a amadurecer e perceber o que realmente nos pertence e o que é dos outros. Refiro-me a cargas de sentimentos negativos, pensamentos e opiniões ruins de pessoas ao nosso redor.

Chega um momento em nossa jornada em que devemos ter consciência de quem somos e sentimos de verdade. Autoconhecimento é um processo contínuo e sem fim, mas que demora a chegar com profundidade e clareza.

Conheço pessoas que tem uma imagem muito distorcida de si mesmas e de como são vistas pelos demais. Acredito que muitos de nós temos essa visão diferente do que somos e do que pensam sobre nós durante boa parte de nossas vidas. É preciso muita coragem para se olhar com transparência. E mais: para perceber como somos vistos pelos outros. E aceitar seja o que for.

Muitas vezes convivemos com pessoas que não nos aceitam. A partir desta não aceitação, se existe o convívio, passamos a ser alvos de críticas e falas negativas.

Alguém que não nos aceita ou que simplesmente nos desgosta, sofre ao suportar nossa presença. Sua reação será transmitir sua insatisfação de volta para nós.

Durante toda a vida passamos por fases em que iremos conviver com pessoas diferentes. Afinidade é algo maravilhoso, mas nem sempre podemos escolher as pessoas que permanecem ao nosso lado. Um pai, uma mãe, um filho, um colega de trabalho e até mesmo um vizinho podem ser muito diferentes daquilo que esperávamos que fossem. Há de se entender como algo natural da vida. Com isso praticamos nossa tolerância e o verdadeiro amor ao próximo. Amar sem olhar a quem e sem julgamentos.

Não são os outros que devem mudar. Por pior que seja uma pessoa que conhecemos, sua função ao nosso lado é nos tornar melhores como seres humanos: no amor, na paciência e na resiliência daquilo que não se muda. Se somos capazes de transformar a nós mesmos com este comportamento, estaremos oferecendo o melhor exemplo que podemos dar. Aceitamos o diferente. E não o julgamos.

Chegar neste ponto de evolução é um encontro com sua própria paz e tranquilidade. O mal de outrem passa a não incomodar. Conseguimos entender que seu caminho na jornada do crescimento pessoal está em outra fase. E simplesmente respeitamos.

Devemos aprender a olhar para nós mesmos sem qualquer desculpa. Admitindo nossos erros, defeitos e limitações. O que é possível melhorar e transformar: trabalhamos. O que são limites: respeitamos. E quando convivermos com aqueles que não conseguem o mesmo nível de compreensão com o próximo, ainda assim não julgamos.

Há de se perceber a diferença entre o que é a falta de aceitação e amor do outro e o que é meu. A mágoa, a raiva ou a inveja alheia deve ser vista como um obstáculo a ser superado por quem a sente. E não por quem a recebe.

Se você não aceita alguém, sente raiva ou inveja, o problema é seu. Você deve trabalhar a si mesmo com honestidade, por benefício próprio. Mas se você é alvo dos sentimentos negativos de outros, você não tem que trabalhar ninguém, além de si mesmo para que não faça julgamento algum. Se você está aquém de sentimentos negativos, apenas respeite quem os sente e se afaste o quanto possível com respeito.

Amar ao próximo também significa respeitar o limite de outros em não aceitar você ou não gostar de você. Muitos de nós se sentem culpados quando não somos aceitos ou amados. Desnecessário.

Amor de verdade ainda é para poucos, mas estamos todos a caminho da evolução, quando um dia nos olharemos nos olhos sem máscaras e sem qualquer sombra de crítica ou opiniões formadas.

Sinta as pessoas e principalmente a si mesmo verdadeiramente. Assim, leve apenas o que é seu. O que é dos outros, é dos outros!

.
(Carolina Vila Nova)
http://www.carolinavilanova.com/

Read Full Post »

no-amor

 

Eu não acredito em um amor ideal, mas naqueles amores inexplicáveis que nos arrebatam e envolvem com sentimentos intensos e confusos, e que nos fazem pensar em construir um amor real, um amor verdadeiro.

Não procure um amor ideal, construa um amor verdadeiro

Todos nós temos em mente como é o nosso amor ideal. Atribuímos a essa imagem física muitos valores, traços perfeitos, onde se esconde a nossa maior felicidade.

Sonhar não é ruim; precisamos de ilusão para viver neste mundo difícil e complexo. No entanto, quando se trata de amor, temos que agir com os pés no chão e a mente aberta.

Não idealize; não existem amores perfeitos. Existem pessoas com defeitos e virtudes que podem combinar com as suas necessidades e lacunas.

Convidamos você a refletir sobre isso: não procure um amor ideal, construa um amor real, verdadeiro e consciente.

Os pilares que constroem relacionamentos conscientes

Você já deve ter ouvido falar de relacionamentos conscientes. Eles são por assim dizer, o contrário do amor romântico ou inconsciente.

Sabemos que muitos de vocês se sentirão afetados com a nossa crítica ao amor romântico, mas ele contém uma série de dimensões muito perigosas para o nosso equilíbrio emocional.

– O amor romântico simboliza a idealização da pessoa amada, e a construção de um personagem que não corresponde à realidade.

– O romantismo ou o amor ideal é o reflexo do apego, da necessidade de ter e possuir o outro, como única forma de ser feliz.

– Isso não significa que no amor verdadeiro não podemos demonstrar afeto, carinho e cuidado. Trata-se de construir um amor consciente, através de um relacionamento saudável onde não há a necessidade de subjugar e nem de ter apegos obsessivos.

 A chave está em construir vínculos saudáveis, que sejam harmônicos e onde se respeite o crescimento pessoal do casal.

Como podemos encontrar e construir um relacionamento maduro e consciente:

1- Não procure, transforme-se na pessoa com que vale a pena estar.

Encontrar a “pessoa perfeita” ou a “pessoa ideal” não pode ser o seu objetivo na vida.

A vida é um aprendizado contínuo, onde todo relacionamento do passado deixou uma vivência e recordações que fazem parte de você. Os seus fracassos anteriores não definem o que você é hoje, apenas ensinam a caminhar com mais cautela.

Não procure, deixe acontecer, cuidando da sua autoestima, sabendo o que quer  e mantendo distância do que pode causar sofrimento.

Procure se desenvolver, crescer interiormente todos os dias e aprecie a pessoa que se reflete no seu espelho.  Sua felicidade interior, seu equilíbrio e maturidade emocional, são os melhores presentes que você pode oferecer ao seu parceiro.

Para construir um amor real e consciente, você deve primeiro se transformar naquela pessoa com quem “vale a pena compartilhar uma vida inteira”. O verdadeiro amor não chega até você como uma mágica, mas deve ser “cultivado” todos os dias.

2- Desenvolva seu equilíbrio pessoal e emocional

Pode ser que seu coração esteja machucado por algum relacionamento anterior, com alguma ferida que precisa ser cauterizada.

– Depois de um fracasso ou término, é necessário recuperar o vínculo com nós mesmos; com o que somos, com as nossas necessidades e com a nossa voz interior. Você gastou muita energia com a outra pessoa e chegou o momento de dar prioridade a você mesmo.

– Perca o seu medo da solidão ou de ser abandonado. É preciso aprender a ficar só, sem deixar que isso se torne dramático para você.

– Recupere a sua autoestima, seu amor próprio e a união consigo mesmo. Aceite-se como você é, com o que tem e o que aprendeu, para suprir os vazios e carências que de alguma forma esperamos que os outros preencham.

 Comece um novo relacionamento como alguém maduro, que aprendeu com suas experiências e hoje está livre para recomeçar e construir um amor real, pleno e sobretudo corajoso.

3- Amar é fácil, mas construir um amor verdadeiro requer esforço.

Alguns amores chegam de repente e nos arrebatam. Como dissemos no início, são amores inexplicáveis.

Não importa como começou, o essencial é construir no dia a dia um relacionamento com respeito, equilíbrio e cumplicidade.

Para construir um amor consciente é necessário boa vontade de ambos os lados, compreender as diferenças e valorizar tudo o que os une.

Lembre-se: pare de procurar um amor ideal ou perfeito. Somos todos seres imperfeitos nos esforçando todos os dias para construir uma vida perfeita.

E isso é o que importa.

 

 

http://amenteemaravilhosa.com/

Read Full Post »

Para sempre.

1aa

A eternidade é o dia de hoje,
a hora de realizar, seja o que for, é agora,
não dá para prever o futuro, que pode nem chegar,
por isso, viva livre de amarras,
esqueça qualquer tipo de preconceito,
viva o presente como presente mesmo,
que chega a cada manhã, com seu nome escrito,
com laço de fita e papel bonito.

E já que o tempo é curto para tantos sonhos;
se for amar, ame intensamente,
se for se divertir, ria até chorar,
se for trabalhar, aplique-se até realizar,
se for para ser pai, seja o melhor companheiro,
e se for para ser mãe, seja doce e protetora,
se for para ser amigo, seja irmão,
se for para ajudar, estenda a mão,
e se for para ser feliz, insista mais um pouco,

felicidade sempre vale a pena…

E já que a vida e breve, se é para deixar marcas,
seja uma marca das melhores, quase invisível,
e de tanto amor pela vida e pelas pessoas,
seja você uma pessoa especial,
seja INESQUECÍVEL!

(Paulo Roberto Gaefke)

Read Full Post »

Older Posts »